Saiba como separar as finanças pessoais da empresa

Saiba como separar as finanças pessoais da empresa

Você sabe como separar as finanças pessoais da empresa? Esse entendimento é importante tendo em vista os prejuízos que essa possível mistura pode causar, por exemplo, impossibilitar o controle do fluxo de caixa, falta de identificação da rentabilidade do negócio e demais problemas que influenciam diretamente na saúde financeira da empresa.

Apesar da sua importância, muitos empresários e gestores não sabem como fazer essa separação, sofrendo sérias consequências que podem chegar até mesmo ao fechamento da organização.

Para ajudar nesse processo, elaboramos este post para mostrar os principais riscos em não separar as finanças pessoais com as da empresa e como evitá-los. Confira!

Por que deixar as duas contas separadas?

Deixar as suas contas separadas é importante para evitar riscos prejudiciais para o crescimento sustentável do negócio. Conheça os principais riscos a seguir.

Perda do controle financeiro da organização

Quando as finanças particulares e da empresa se misturam, é difícil realizar uma avaliação financeira eficaz. Não existe diferença entre os recursos obtidos pelo lucro do negócio ou poupança pessoal, por exemplo, atrapalhando a identificação da lucratividade e se a empresa está crescendo ou se endividando.

Falta de identificação dos gastos

Sem ter o controle sobre os gastos realizados, a companhia pode se prejudicar bastante. Isso porque, como forma de obter melhores resultados, pode ser necessário que o empresário tenha que cortar gastos supérfluos para ajudar o negócio a crescer. Na falta de conhecer quais são os valores reais dispensados pela instituição, é praticamente impossível realizar essa tarefa.

Insuficiência do fluxo de caixa em períodos difíceis

É imprescindível que a companhia tenha um fluxo de caixa reserva para utilizar em situações críticas ou nos meses em que ela não tenha o lucro esperado.

Quando você tira capital da organização para pagar contas pessoais, poderá encontrar problemas para quitar os compromissos, tendo que solicitar um empréstimo bancário, com juros e taxas altas, criando uma bola de neve que dificilmente poderá ser controlada.

Problemas com a Receita Federal

Os gastos pessoais na organização, caso não registrados, deixam de fazer parte dos rendimentos do empreendedor, o que chamará a atenção da Receita Federal. Isso o levará para a malha fina, fazendo-o correr o risco de sofrer multas e penalidades por este motivo.

Inadimplência dos funcionários e fornecedores

Como já foi dito, a falta de controle de caixa poderá prejudicar o pagamento de colaboradores e fornecedores. Dessa forma, a empresa corre o risco de ter serviços importantes suspensos, ajuizamento de ações trabalhistas e demais problemas que preocupam qualquer empresário.

Desconsideração da personalidade jurídica

Quando o empresário abre uma pessoa jurídica, um dos objetivos principais é proteger o seu patrimônio pessoal dos riscos inerentes ao negócio que ele está iniciando. Ao misturar suas finanças pessoais com as da empresa, essa proteção patrimonial fica comprometida. Ou seja, na hipótese de o negócio não dar certo, os bens do sócio podem ser usados para pagar dívidas da empresa.

Como separar as duas finanças?

Agora que você já sabe quais são os impactos negativos ao misturar as duas, provavelmente deve estar querendo aprender como separar as finanças pessoais da empresa, não é mesmo? Veja as dicas que preparamos!

Não pague as contas particulares com o dinheiro da empresa

Em hipótese nenhuma use a conta da empresa ou cartão de crédito para quitar contas que não sejam do seu negócio. Da mesma maneira, não use dinheiro do caixa da empresa para fins pessoais, já que esse caixa deve refletir unicamente as operações da organização, com a finalidade de manter um bom controle financeiro e uma contabilidade organizada.

Estabeleça um pró-labore para os sócios

Caso o lucro da empresa esteja indo totalmente para o bolso do empresário e seus sócios, futuramente o negócio não terá reservas suficientes para aplicar em seu desenvolvimento. Para evitar esse tipo de situação, o ideal é definir um pró-labore. Além dele, os sócios também podem determinar retiradas periódicas de lucro, mas sempre com moderação.

O importante é ter em mente que os recursos usados para remunerar os sócios servem também para investir na instituição. Por esse motivo, esse valor deve ser mensurado com muito critério para suprir não somente as necessidades particulares, mas também da organização.

Tenha duas contas separadas

Separar a conta particular da conta da empresa é uma medida essencial para evitar que você misture as despesas pessoais com as empresariais. O custo da manutenção de um conta específica para o seu negócio é um investimento que vai contribuir para a manutenção da saúde financeira, de forma mais simples e organizada.

Tenha uma reserva para necessidades pessoais e outra para as empresariais

Tanto as pessoas quanto as companhias passam por situações difíceis e instáveis e que podem levar ao prejuízo. Em casos como esse, é muito comum que os empresários recorram ao caixa da empresa para salvar sua conta bancária.

Para evitar esse tipo de situação, tanto os sócios da empresa como a própria organização precisam ter reservas financeiras para passar por esses períodos. A cada retirada ou a cada pró-labore, é preciso refletir que um percentual dele deveria ser destinado a formar uma reserva pessoal.

Do mesmo jeito, uma parte do saldo que sobra no caixa da empresa deveria ser aplicada em um fundo, poupança ou outro investimento que gere rendimentos, para auxiliar em momentos complicados e fazer com que a empresa tenha maior folego financeiro para enfrentá-los.

Otimize o processo de controle financeiro

Realizar o controle financeiro é uma tarefa que ocupa muito tempo do empresário e dos gestores, o que acaba atrasando o atendimento das necessidades diretamente ligadas às operações do negócio.

Para isso, você pode contar com o auxílio de um profissional qualificado para fazer essa atividade e orientar sobre as práticas que devem ser aplicadas, além de implementar um software de gestão próprio para essa finalidade.

Por meio dele é possível simplificar o controle de contas a pagar e a receber, analisar o fluxo de caixa, organizar a folha de pagamento, controlar o orçamento e demais funções importantes para a organização financeira pessoal e empresarial.

Conseguiu perceber como é importante separar as finanças pessoais da empresa? Dessa forma, é possível evitar confusões no caixa e demais riscos que podem prejudicar seriamente o seu negócio. Por este motivo, não espere mais para colocar as dicas aqui apresentadas em prática, implementá-las em sua rotina e, assim, garantir o desenvolvimento adequado e a saúde financeira da sua empresa!

Achou este conteúdo interessante? Então, aproveite sua visita em nosso blog e assine a nossa newsletter para receber todos os conteúdos em primeira mão!